Como ajustar o orçamento de marketing durante a pandemia

Como ajustar o orçamento de marketing durante a pandemia

Os danos colaterais, provocados pela crise pandémica, são extensos e graves. Para além da precariedade social, que está a aumentar, os impactos na economia global são profundos e semelhantes à crise de 2011. Nessa altura, existia um prenúncio do que seria o futuro próximo e quais as medidas que seriam tomadas para ultrapassar as dificuldades. Tal não aconteceu agora. Nem Estados, nem empresas estavam preparados para tais danos. As medidas têm vindo a ser implementadas, de acordo com a evolução da pandemia, e o médio/longo prazo foram retirados dos planos das empresas. Mesmo o curto prazo é incerto. Uma medida tomada hoje pode ser anulada por uma evolução negativa da pandemia. Contudo, ao fim de meses deste contexto, já existem algumas certezas e decisões que as empresas podem tomar.

 

Nem todos podem apostar no marketing

Com o mundo em confinamento, houve áreas de negócio severamente afetadas, enquanto outras viram as suas vendas dispararem. O que significa que existem setores que, nesta fase, devem congelar os seus investimentos em marketing e apostar quando a fase de confinamento terminar. Hotelaria, agências de viagens, cultura, espetáculos, eventos, feiras, conferências são setores em que o orçamento de marketing deve ser ajustado para uma fase onde já seja possível vender com volumes semelhantes à pré-pandemia.

Por outro lado, áreas como a saúde, serviços de entrega online, software de videoconferências, agências de marketing digital são áreas onde o orçamento de marketing deve ser repensado. A procura justifica o aumento de investimento, de forma a estar na primeira linha de quem necessita destes serviços/produtos.

 

Para onde redirecionar o orçamento

Nesta fase, feiras, eventos, publicidade estática são formas de promoção a evitar. Com as regras de distanciamento social a ditarem a proibição de eventos, todo o orçamento que estava destinado a estas áreas deve ser realocado. O mesmo, por exemplo, em relação a outdoors, pois com menos circulação de pessoas, o impacto deste tipo de publicidade é residual. Assim, para onde realocar estes valores? Para o Marketing Digital!

Marketing de conteúdo

Produzir conteúdos, no atual contexto, é fundamental, porque, para além de se manter a ligação com os clientes, potencia a angariação de futuras leads. No entanto, é crucial que os conteúdos sejam uma mais-valia para quem os lê, ajudando consumidores e empresas a ultrapassarem esta fase complexa. Desaconselham-se conteúdos que façam um aproveitamento da situação ou que promovam factos erróneos sobre a atualidade.

Redes Sociais

O aumento do tráfego online é uma oportunidade única para as empresas. Nunca as redes sociais foram tão importantes para a divulgação de marcas, produtos e serviços. Com o confinamento, o aumento da permanência dos consumidores nas redes sociais foi enorme, logo é aqui que as empresas têm de apostar. Partilhar vídeos, whitepapers, casos de estudo são tipos de conteúdos que podem promover uma marca e levar mais consumidores para o website ou, ainda mais importante, para uma loja online. Aumentar a proximidade com os consumidores é, nesta altura, essencial.

E-mail Marketing

Apesar de hoje em dia ser considerado o “patinho feio” do Marketing Digital, este, se for bem utilizado, continua a ser uma poderosa ferramenta de comunicação. Listas pequenas, com um público-alvo bem definido para a mensagem que se quer transmitir são fundamentais. Este é um canal que pode ser usado para informar os clientes que a empresa está em atividade, as medidas que está a tomar, as promoções que está a fazer, entre outras informações.

Webinares

Numa época em que muitas empresas têm mais dúvidas do que certezas, partilhar conhecimento pode ser um elemento diferenciador. Promover webinares com conteúdos que interessem aos clientes ou substituir eventos empresariais por webinares são duas formas de fidelizar clientes e potenciar novas leads. Existem outras vantagens, como custos mais reduzidos devido à menor logística envolvida, e permite juntar mais clientes em simultâneo. Para estes, é também uma vantagem, pois nem sempre o tempo disponível permite a deslocação a eventos empresariais, sendo a disponibilidade para participar em webinares muito maior.

Campanhas publicitárias

Nesta fase, Adwords e Facebook Ads são duas ferramentas em que se deve investir. Com mais tráfego online, a possibilidade de os anúncios serem visualizados é maior. Todas as campanhas devem ser articuladas com outras ferramentas de marketing digital, de forma a encaminharem o consumidor para o objetivo final, a compra. Por exemplo, ter uma landing page, com o link final da campanha publicitária, onde se possa recolher uma lead ou efetuar uma venda é a melhor estratégia. Evitar campanhas generalistas e focar num objetivo é determinante para obter retorno do investimento efetuado nas campanhas publicitárias.

 
Estas são algumas das áreas para onde podem ser canalizados os investimentos em marketing. Cada empresa deverá analisar a sua situação, de maneira a fazer investimentos, sem colocar em causa a sua própria sobrevivência.

Se necessita de um parceiro experiente para auxiliar na reestruturação da estratégia de marketing, contacte a Belo Digital.

Comentários

Sem Comentários.

Deixar um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *